AbdonMarinho - Home
Bem Vindo a Pagina de Abdon Marinho, Ideias e Opiniões, Quarta-feira, 17 de Janeiro de 2018



A palavra é o instrumento irresistível da conquista da liberdade.

Rui Barbosa

Escrito por Abdon Marinho

A RESPONSABILIDADE DOS PARTIDOS NA SOLUÇÃO DA CRISE.
Por Abdon Marinho.
UMA notícia que li outro dia chamou-me a atenção para o tema que trago à discussão no texto hoje.
Pois bem, desde que a atual crise econômica, política, social e judiciária eclodiu, um debate tem se tornado recorrente, sobretudo pelas pessoas mais ilustradas: a crise precisa ser resolvida pela política. Isso quer dizer, sem golpes de Estado, sem intervenção militar, sem qualquer outra intervenção, que não a livre manifestação dos cidadãos, através do voto, na solução dos conflitos.
Corroborando com a ideia de que a crise precisa ser solucionada pela “Política”,...

Escrito por Abdon Marinho

UM VEXAME DUPLICADO NA BR 135.
Por Abdon Marinho.
ALGUÉM que, desavisado, passasse pela dita inauguração da duplicação da BR 135 – obra inacabada, mal feita, com diversos pontos já precisando de reparos, que consumiu uma fábula de recursos e que se arrastou por quase dez (frise-se: dez anos para concluírem pouco mais de vinte quilômetros) –, pensaria ter saltado para um mundo do absurdo, uma mistura de comédia pastelão com desenho animado e tantas outras coisas mais do nosso imaginário infantil.
Acredito que para o espetáculo ficar mais “animado” só faltou os contendores se atirarem, mutuamente, tortas, copos d’água, suco de...

Escrito por Abdon Marinho

ORELHAS E CONTRADIÇÕES.
Por Abdon Marinho.
— ABDON, tenha cuidado com as orelhas.
Quando ouvi tal recomendação pensei tratar-se de uma referência as minhas próprias orelhas, que a natureza fê-las tão generosas ou as da pessoa que recomendava, igualmente bem servido das conchas protetoras do aparelho auditivo.
Tomar cuidado com as orelhas foi um dos conselhos que me deu o ex-deputado Juarez Medeiros quando passei a publicar minhas ideias.
Cuidar das orelhas é não deixar margem para contestarem o que escrevemos.
Um amigo, especialista em segurança pública, disse que fui generoso ao me referir à violência urbana no Maranhão, pois, segundo...

Escrito por Abdon Marinho

A TRAGÉDIA DA VIOLÊNCIA É MAIOR DO QUE REVELAM OS NÚMEROS.
Por Abdon Marinho.
QUASE tão tradicional quanto à queima os fogos em Copacabana, no Rio de Janeiro, na virada do ano é sabermos, nos dias seguintes de motins de presos em algum presídio Brasil a fora, com seus balanços dignos de filme de terror.
A bola da vez, na virada 2017/18, foi o Estado de Goiás.
Os motins são ocasionados, quase sempre, pela superlotação, pela insalubridade, pela promiscuidade entre autoridades e presos, pela corrupção, por uma combinação destes e vários outros fatores.
O certo é que as autoridades brasileiras perderam o...

Escrito por Abdon Marinho

UM CONSTRANGIMENTO DESNECESSÁRIO.
Por Abdon Marinho.
ALGUÉM que integre o governo estadual, seja aliado ou simplesmente adulador, desde que possua um mínimo de pudor deve estar constrangido em ver suas maiores autoridades apanhadas numa situação tão vexatória e infantil.
Falo do descabido festejo a um suposto ranking do site G1, da rede globo, colocando o governador Maranhense como o maior cumpridor de promessas feitas em campanhas eleitorais.
A informação não era verdadeira. Os integrantes do governo, seus aliados, militantes e mesmos jornalistas simpáticos a administração comunista sabiam que a informação era furada – se não sabiam, pior, pois revela total falta de...

Escrito por Abdon Marinho

O TRILEMA COMUNISTA.
Por Abdon Marinho.
EMBORA o termo seja pouco usual, trilema é uma situação embaraçosa da qual só se pode sair pela opção de uma de três opções, todas difíceis. Trilema é assim uma espécie de dilema de três.
O governador Flávio Dino tem um trilema nas mãos que é compatibilizar na vaga que resta de pré-candidato ao Senado na sua chapa o interesse de três postulantes. Só tem vaga para um. Como não se desgastar além do necessário com os outros dois?
Claro que poderia ampliar ainda mais o problema se trouxesse um nome de fora do espectro...