AbdonMarinho - Home
Bem Vindo a Pagina de Abdon Marinho, Ideias e Opiniões, Sábado, 16 de Dezembro de 2017



A palavra é o instrumento irresistível da conquista da liberdade.

Rui Barbosa

Escrito por Abdon Marinho

UM SENADOR E SEUS MOINHOS. 

CERTAMENTE não acho o senador Roberto Rocha semelhante ao cavaleiro D. Quixote, da obra imortal de Miguel de Cervantes. Nada tem o mesmo de quixotesco. Talvez, e apenas pela compleição física, uma leve semelhança com o seu fiel escudeiro, Sancho Pança, apenas isso. 

Entretanto, o senador do Maranhão tal qual a figura da obra, enfrenta seus moinhos. E, diferente daquele, os seus não são tão imaginários assim.

Não é segredo para ninguém, e o próprio senador, com honestidade, nunca ocultou, que ele acalenta o sonho de ser governador do Maranhão. Um sonho legítimo, diga-se de...

Escrito por Abdon Marinho

O DESASTRE CIVILIZATÓRIO BRASILEIRO.
OUTRO DIA ouvi alguém dizer que Brasil é um país que envelheceu sem passar pela fase do amadurecimento. Referia-se, pois ao fato de não termos aproveitado a imensa população economicamente ativa para igualar-se a outras nações dos chamados países em desenvolvimento.
O Brasil, com tantas condições naturais favoráveis e, até, com uma população que poderíamos dizer "na medida certa", não saiu do lugar, tendo retrocedido em diversos setores. O país tem ficado para trás.
A India, uma nação com desafios bem maiores que os nossos, seja pelas imensas desigualdades, por uma cultura de castas, por uma enorme população,...

Escrito por Abdon Marinho

OS MATADORES DE SONHOS. 

UMA reportagem exibida por uma rede local de televisão chama a atenção para o drama, sem fim, da educação ludovicense. Qualquer pessoa, com um mínimo de compromisso com a realidade no seu entorno, não pode deixar de ver o desespero de pais, mães de famílias, mesmo os avós, que, acreditando na educação como fator determinante para a mudança social, passam noites em filas, buscando uma vaga para o filho na rede municipal de ensino. 

Uma mãe, em desespero, não deixa de revelar sua revolta, como cidadã pagadora de impostos, pela humilhação infligida pela administração pública.  Consciente,...

Escrito por Abdon Marinho

O PECADO DA HONESTIDADE. 

NESTE início de ano disseminou-se, principalmente, por meio das redes sociais, mas também por outras mídias, uma espécie de corrente no qual o mote principal era o fato do presidente norte-americano, Barack Obama, encerrar seus oito anos de mandato sem qualquer escândalo, fosse no campo pessoal, fosse no campo político. A proeza, destacada até por grandes veículos de comunicação, estendia-se aos familiares e também aos seus auxiliares. 

Não resta dúvida que o feito foi extraordinário. Um governo concluir oito anos de poder sem pontificar escândalos é, de fato, uma bênção, mas, como podemos ver, perfeitamente possível,...

Escrito por Abdon Marinho

DE ULYSSES A TEORI: A TRAGÉDIA ÉTICA DA REPÚBLICA BRASILEIRA.
NUMA tarde, ainda naquela fatídica semana de outubro de 1992, o jornalista Ademário Cavalcante entrou na minha sala na Assembleia Legislativa, na Rua do Egito e, antes mesmo dos cumprimentos iniciais foi logo dizendo: – Que vergonha! Como pode um homem da estatura do Dr. Ulysses Guimarães, com uma história invejável, morrer enquanto voava "de favor" no helicóptero de um empresário, não é Abdon?
Naqueles anos era assessor do deputado estadual Juarez Medeiros (PSB/MA), e, embora fosse um menino de vinte e poucos anos, recebia, quase diariamente, a maioria dos jornalistas...

Escrito por Abdon Marinho

ILHA DE ESCOMBROS.

ALGUÉM, por mais otimista que seja, consegue enxergar um bom futuro para a Ilha de São Luís? Não consigo. Por onde passo, o que sinto é a sensação de abandono da ilha. Não me refiro apenas ao abandono físico materializado pela má conservação das suas vias, a sujeira em todos os cantos ou o desinteresse das autoridades em cuidar com carinho da mesma. Há, sobretudo, por parte das autoridades, um certo conformismo, como se já tivessem jogado a toalha antes de tentar, como se dissessem isso não é comigo, ou não posso fazer nada. 

Os exemplos estão...