AbdonMarinho - Home
Bem Vindo a Pagina de Abdon Marinho, Ideias e Opiniões, Quarta-feira, 17 de Janeiro de 2018



A palavra é o instrumento irresistível da conquista da liberdade.

Rui Barbosa

Escrito por Abdon Marinho

A TRAGÉDIA DA VIOLÊNCIA É MAIOR DO QUE REVELAM OS NÚMEROS.
Por Abdon Marinho.
QUASE tão tradicional quanto à queima os fogos em Copacabana, no Rio de Janeiro, na virada do ano é sabermos, nos dias seguintes de motins de presos em algum presídio Brasil a fora, com seus balanços dignos de filme de terror.
A bola da vez, na virada 2017/18, foi o Estado de Goiás.
Os motins são ocasionados, quase sempre, pela superlotação, pela insalubridade, pela promiscuidade entre autoridades e presos, pela corrupção, por uma combinação destes e vários outros fatores.
O certo é que as autoridades brasileiras perderam o...

Escrito por Abdon Marinho

CRÔNICA DE UMA MORTE NÃO ANUNCIADA.

FRANCISCO Edinei Lima  Silva, cidadão barracordense ou cordino (conforme o gosto do freguês) com cerca de 40 anos, não imaginava que caminhava para a morte ao sair de casa por volta do meio-dia para comprar um carvãozinho e dar continuidade ao churrasco de domingo.

Envolvido num acidente de trânsito com um motociclista foi preso e jogado no “castigo” da delegacia de polícia daquela urbe. 

Aqui começa a tragédia. O tal castigo da delegacia é uma espécie de gaiola localizada nos fundos do prédio sujeito às intempéries climáticas. Quem fica lá tem que aguentar a...

Escrito por Abdon Marinho

RIO DE LÁGRIMAS.

NUNCA uma metáfora fez tanto sentido quanto esta que refere-se ao Rio de Janeiro como um rio de lágrimas. 

No horripilante cenário de absurdos que tomou conta da cidade (e do estado) não há quem não lembre de uma tragédia que tenha lhe despertado a atenção com mais intensidade – isso independente de ser o cidadão do próprio estado ou não. 

Apenas neste mês, em conversas com amigos, um dizia que lhe chamara atenção fora um assalto “ao vivo” de uma senhora em pleno calçadão, com dezenas transeuntes indiferentes. Um outro disse-me que lhe incomodou as imagens...

Escrito por Abdon Marinho

O ESTADO, A BARBÁRIE E O CIDADÃO. 

E O BRASIL, pelo que parece, foi a apresentado à verdade que teimaram em ocultar nos últimos anos. E, a verdade, por mais dura que possa parecer, é que o Estado brasileiro tornou-se refém do crime organizado.

O capitulo final a retratar a capitulação Estado foi convocar as Forças Armadas para tomar conta de presos, reforçar a segurança em presídios, e outras atividades correlatas, todas bem distante de suas atribuições constitucionais. 

O que está posto é que o Estado – através de seus entes federados – não consegue controlar o que acontece dentro...

Escrito por Abdon Marinho

CUSTA PEDIR DESCULPAS?

NA VÉSPERA DO NATAL um amigo conversa comigo sobre a tragédia ocorrida em Balsas e que teve como vítimas duas irmãs, uma, infelizmente, fatal. Este amigo alertava para o fato de até o momento o governo do estado não ter reconhecido o erro e pedido desculpas a vítima que sobreviveu e aos seus familiares pelo perecimento da outra. 

Causou-me perplexidade a informação deste amigo, tanto que, embora acreditando na sua palavra, fiz uma busca no site do governo a procura de uma nota, um pesar, uma notícia com um pedido de desculpas formal por parte da autoridade...

Escrito por Abdon Marinho

UM VELÓRIO DEMORADO.

CONFESSO: se tem algo que gosto é uma frase bem feita. Admiro quem sabe juntar letras e palavras e expressar uma um ideia singular, única, inscrevê-la para a posteridade. Talvez por isso também dê tanto valor aos ditos populares.

Nos últimos dias tenho pensado numa frase dita pelo senador Delcídio do Amaral, ex-líder do Partido dos Trabalhadores - PT e do governo. Segundo ele próprio, teria dito ao ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva:

" – Presidente, enterramos nossos mortos em covas rasas,  quando menos esperamos, eles ressuscitam".

Difícil perquerir sobre o que tinha em mente ao proferir...