AbdonMarinho - O TRILEMA COMUNISTA.
Bem Vindo a Pagina de Abdon Marinho, Ideias e Opiniões, Terça-feira, 16 de Janeiro de 2018



A palavra é o instrumento irresistível da conquista da liberdade.

Rui Barbosa

Escrito por Abdon Marinho

O TRILEMA COMUNISTA.
Por Abdon Marinho.
EMBORA o termo seja pouco usual, trilema é uma situação embaraçosa da qual só se pode sair pela opção de uma de três opções, todas difíceis. Trilema é assim uma espécie de dilema de três.
O governador Flávio Dino tem um trilema nas mãos que é compatibilizar na vaga que resta de pré-candidato ao Senado na sua chapa o interesse de três postulantes. Só tem vaga para um. Como não se desgastar além do necessário com os outros dois?
Claro que poderia ampliar ainda mais o problema se trouxesse um nome de fora do espectro político deixando os três deputados-postulantes à ver navios. Mas isso é algo que, parece, não fará.
Em recente entrevista exclusiva ao Jornal Pequeno, mais precisamente no último dia do ano, que diga-se, está cheia de assuntos – no momento só me deterei na questão da segunda vaga ao Senado –, sua excelência, instado a manifestar-se sobre o preenchimento da vaga restante, respondeu como se nada tivesse com a questão.
Inicialmente, teceu loas aos três postulantes, mas, em seguida, tal qual, Pilatos, lavou mãos. Sugeriu-lhes que seguissem os passos do primeiro ungido, o deputado Weverton Rocha, e se viabilizassem.
Na narrativa do governador, não lhe cabe “trair suas convicções” e aparecer indicando um candidato. Este, ainda segundo ele, deve ter o apoio daqueles que o apoiam, para, assim, como fez com o primeiro escolhido, apenas o referende.
Agir de forma diversa, na sua opinião, seria uma espécie de coronelismo que já não cabe na política maranhense. Encerrou a questão.
Seria muito bom se a política fosse essa ciência cartesiana que quer fazer crer o governador. Embora a solução apresentada – e a que vai lhe nortear a escolha –, parecer perfeita, pois os dois postulantes preteridos devem, na sua visão, colocar o insucesso, na sua própria falta de articulação, talvez não seja tão fácil.
A guerra de uma escolha dessas não funciona como uma assembleia de estudantes, em que se levam as propostas para serem votadas “na hora”, sem qualquer articulação prévia. Não é assim. Tantos os pré-candidatos, quanto os demais agentes políticos, sabem para que lado “pende” o interesse do governo e, até mesmo, como funciona o chamado “fogo amigo” nestas horas.
A situação torna-se um pouco mais dramática quando os postulantes têm como certo possuírem “crédito” junto ao governador.
Esse “crédito”, que na entrevista, o governador não reconheceu, é algo mais um menos público.
A exceção da deputada Eliziane Gama, que não sabemos o nível de “acerto” feito, os outros dois, até já o disseram publicamente, possuem uma fatura a apresentar.
O primeiro, o deputado José Reinaldo Tavares, a quem o governador colocou na fatura apenas um débito de “carinho especial”, assim mesmo por ser ex-governador do estado. Sabemos que não é só isso.
O ex-governador José Reinaldo é credor da própria carreira política do hoje governador. Conforme é fato público e notório.
Foi ele, Zé Reinaldo, que ousou apostar no projeto de renovar a política maranhense trazendo, com o poder de governador que tinha, alguém da magistratura para fazê-lo deputado, já no projeto de fazê-lo governador nos pleitos seguintes.
Neste propósito, não mediu esforços. Como não possuía convicções a “trair”, queria mesmo era elegê-lo, chamou um grupo de prefeitos de confiança e lhes deu a missão de conseguir os votos necessários. Como dizem no sertão: determinando que “atirassem sem tomar chegada”.
Não há quem no mundo político ignore que foi no velho “coronelismo” – que o atual inquilino dos Leões jura repudiar –, que conseguiram os votos nos lugares que o então candidato nem sabia existir no Maranhão. Basta pegar o mapa de votação.
Estes fatos são públicos e conhecidos de todos, repito.
Assim, tanto na capital quanto no interior do estado todos sabem que o ex-governador é credor de bem mais que “um carinho todo especial”.
Acredito, por isso mesmo, tratar-se de um monumental equívoco do governador – e seus auxiliares –, ter excluído o deputado José Reinaldo da condição de candidato natural ao Senado da República na sua chapa, depois de tudo que fez por ele próprio e pelo Maranhão.
Todos sabem que sozinho e com prejuízo da própria liberdade, “bancou” o projeto de mudança e foi para o “sacrifico” nas duas eleições seguintes (2010 e 2014).
Ninguém “estranharia” a candidatura “natural” do ex-governador e que o cabeça de chapa, no caso o governador, lhe pagasse os favores que lhe foram feitos a partir de 2006.
Uma regra elementar da política – e mesmo da vida –, é que quem faz um “favor” espera receber o mesmo troca. Pensar diverso é desconhecer as regras do jogo.
Ao agir como “credor da humanidade” e achar-se merecedor de tudo que lhe foi feito “sem dever nada a ninguém”, o governador corre o grave risco de passar por “ingrato” ou, pior, “desleal”, por não ter coragem necessária de enfrentar “a tudo e a todos” e prestar socorro a quem já lhe socorreu.
Infelizmente as lideranças políticas não têm coragem de expor esta situação ao governador, mas é este o sentimento corrente de norte a sul do estado, são prefeitos, ex-prefeitos, vereadores, ex-vereadores e mesmo simples lideranças, todos se ressentindo do tratamento que está sendo dado ao ex-governador.
O segundo postulante a vaga de pré-candidato na chapa oficial – e a quem o governador não dispensou nem o crédito de “carinho especial” –, é o deputado Waldir Maranhão.
Não sei, além do que foi divulgado pela mídia, sobre o nível de “acerto” feito com ele. Mas, assim como José Reinaldo o sacrifício político que fez pelo projeto do governador é patente e visível.
Vejam, o deputado era presidente estadual de um partido que possuía uma das maiores bancadas da Câmara dos Deputados e, por isso mesmo, tornou-se vice-presidente daquela casa.
Comandando o máquina partidária e ocupando os espaços que a política lhe conseguia, ia levando, conseguia reeleger, praticamente, através daquela “estrutura”, ou seja, levava uma vida parlamentar sem maiores sobressaltos.
Tal situação mudou quando – acredita-se para atender um pedido do governador –, resolveu “inventar” a revogação do impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff.
Teria necessidade de fazer aquela patuscada? Qual a razão para fazer? A quem visou atender?
Aí está a questão. Dizem que “fez o que fez” para atender o governador do Maranhão, cioso de “vender-se” como a liderança que revogou o impeachment, apelidado por ele de “golpe”, por consequência, tornar-se o herdeiro de todo espólio esquerdista para voos mais altos.
O ineditismo da medida, que falecendo de sustentação, acabou sendo revogada pouco depois, trouxe ao deputado o pior tipo de exposição que um político poderia pretender: a exposição pelo ridículo.
Nem falemos dos dissabores que sofreu no plano familiar, ele e os seus. Quase todos os parentes sofreram com a exposição do deputado: filho, irmãos, cunhados e, até mesmo, a esposa, que, segundo comenta-se, estava enferma.
O deputado, que iniciou a carreira política graças a uma vida acadêmica, tendo, inclusive, chegado a reitor da Universidade Estadual do Maranhão, para atender um pedido do governador, segundo dizem – ninguém acredita que foi só porre –, viu-se sob as luzes da ribalta do ridículo nacional, motivo de chacota por onde passava e sendo inspiração para todo tipo de charges, memes e humorísticos.
Chegaram a ponto de lhe sugerir a revogação da Lei da Gravidade.
Em resumo, virou uma piada nacional, ainda hoje lembrada. Não sei se o que lhe deram – ou prometeram –, valeu o preço que pagou, inclusive o de não conseguir a reeleição que tinha quase por certa.
No aspecto prático, perdeu, ainda, o comando do partido que lhe garantia sucessivas eleições e mesmo os espaços que já havia conquistado no parlamento ao longo dos anos.
Apenas para citar um exemplo, uma das Vice-presidências da Câmara acabou “sobrando” para o deputado que assumiu o comando do seu antigo partido no estado, o novel deputado André Fufuca.
Como podemos ver, os fatos desafiam o raciocínio apresentado pelo governador, na entrevista. Melhor seria se tomasse “coragem” e despachasse aqueles que não gozam de sua predileção, para que eles, os preteridos, procurarem seu rumo.
Se serão candidatos a deputados novamente ou se irão se arranjar, com seus projetos, noutras candidaturas.
Não é segredo que é mais fácil um candidato a deputado virar candidato a senador que o oposto. Se demoram muito, não terão onde conseguir os votos proporcionais. Cada dia de indecisão conta.
O tratamento dispensado – e exposto –, pelo governador aos três deputados postulantes à integrar a chapa majoritária só faz sentido se a intenção for “matá-los” politicamente, afinal, mortos não cobram dívidas.
Fora disso, a estratégia adotada de “empurrar com a barriga”, ainda que não se ache devedor de nada – nem dos deveres de amizade (mas já disseram que em política ninguém é amigo) –, acabará por trazer prejuízos irreparáveis para os postulantes à candidatura de senador, que deixarão de se articular para outros cargos, e à candidatura do próprio governador, que responderá pela mágoa dos preteridos.
E, quanto maior acharem que é o crédito, maior será a mágoa. Apenas para lembrar.
Abdon Marinho é advogado.

 

Comentários  

0 #1 cristina 02-01-2018 17:03
perfeito dr abdon
Citar