AbdonMarinho - A ESQUERDA E OS "VEADINHOS" DE FURTADO.
Bem Vindo a Pagina de Abdon Marinho, Ideias e Opiniões, Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017



A palavra é o instrumento irresistível da conquista da liberdade.

Rui Barbosa

Escrito por Abdon Marinho

A ESQUERDA E OS "VEADINHOS" DE FURTADO. 

Alguém já disse que  brincando  revelamos o que verdadeiramente  pensamos sobre as coisas. Este mesmo dito tem um correspondente chulo sobre o qual me omitirei.

O deputado Estadual Fernando Furtado (PC do B), ao atacar a política indigenista nacional, a Justiça Federal, o INCRA e seus dirigentes, ao chamar os índios de vagabundos, disse, publicamente o que é o seu pensamento privado. Aquilo que no dizer do clássico musical, nem as paredes se devia confessar. 

Além da vulgaridade de suas palavras – o que o destacou no cenário nacional –, chamou a atenção o fato do deputado comunista ter ligado o "veadômetro" para reconhecer, de longe, ao que parece, a opção sexual de alguns silvícolas. Incomodado com suas roupas, seus adornos culturais,  sentenciou: veado, veado, veado. 

Demonstrando um excessivo conhecimento do assunto – algo suspeito para quem está ido nos anos –, asseverou não possuir qualquer dúvida sobre o que dizia, demonstrando estranhamente ao fato de haver índios homossexuais, nas suas palavras, boiotas, veados, veadinhos. 

Como se isso, o incomodasse em particular. 

O parlamentar, cobrado pelo partido, por entidades de defesa dos direitos humanos e de algumas minorias, emitiu nota oficial onde pede desculpas a todos os atingidos pelos ataques (exceto ao juiz federal e aos integrantes do PT) asseverando que não teve a intenção de atacar ninguém, sendo suas palavras fruto do "calor do momento". 

O nobre representante do povo deve sentir muito calor, uma vez que tendo proferido os ataques, segundo soube, ainda em julho, só agora, no beirar de outubro, se dá conta da gravidade da fé professada. 

Como hoje tudo acontece aos olhos do mundo, ao tomar conhecimento do discurso calorento do deputado maranhense, uma jornalista reconhecida nacionalmente, estranhou  que tal discurso tenha sido proferido por um parlamentar "esquerdista" e, citando o ex-ministro Delfim Neto, estaria se convencendo que os conceitos de esquerda e direita, no Brasil, seria apenas para delimitar o trânsito. 

Confesso estranhar o estranhamento da colunista. 

No Brasil e em diversos outros países do mundo a perseguição a homossexuais (indígenas ou não) nunca respeitou bandeiras ideológicas. Aqui mesmo no Brasil somos testemunhas disso. Os homossexuais sempre foram usados por muitos partidos políticos, sobretudo os que se dizem de "esquerda”,  por conveniência, assim como diversas outras minorias, negros, mulheres, etc. 

Se o cidadão é homossexual mas reza a cartilha do partido está tudo bem, se não, não passa de um veadinho, como disse o deputado Furtado. 

Assim é com todos os outros que discordam deles. 

Se fazem de bonzinhos, mas em privado e até publicamente, como se deu no caso do deputado,  revelam o que, efetivamente, pensam. 

A tola imprensa brasileira sempre embarcou na ideia de uma esquerda que apoia e abomina os preconceitos de gênero, de raça, de situação sexual, apesar de todos os exemplos que temos mostrando o contrário.

Passou em brancas nuvens, por exemplo, a piada infame de Lula, que candidato à presidência da República, sugeriu ao correligionário, prefeito de Pelotas, a construção de uma rodovia ligando aquela cidade gaúcha à paulista Campinas. Segundo ele a rodovia deveria chamar-se  transviadônica, se não me falha a memória.

Este fato é antigo, dirão. Ainda assim, infame, idiota.

Tem mais. Não faz muito tempo, a então candidata a prefeita pelo Partido dos Trabalhadores - PT,  Marta Suplicy, indagou, num programa eleitoral, sobre a família do oponente Gilberto Kassab (hoje ministro do governo deste partido), insinuando que o mesmo não teria esposa, filhos, em resumo, insinuava que o mesmo seria homossexual, por conseguinte, não estaria apto a administrar uma cidade. 

Ora, Marta não era apenas integrante de um partido que se dizia de esquerda, era alguém que se firmou na vida pública como sexóloga e defensora das causas das minorias. Aí, no interesse eleitoral, esquece tudo que pregou a vida inteira.

A esquerda brasileira – talvez haja uma exceção ou outra –, nunca se dignou a fazer uma critica as chamadas ditaduras do proletariado, regimes que sempre reprimiram com "mão de ferro" as liberdades de suas populações, sobretudo, as liberdades que dizem respeito a situação sexual do indivíduo. 

Alguém tem dúvida que a ditadura dos Castro em Cuba reprimiu – e ainda reprime – os homossexuais e quaisquer outros cidadãos que ousem pensar diferente dos seus dogmas?

Na semi-ditadura venezuelana um dos motes do senhor Nicolás Maduro era chamar o seu  principal adversário na última campanha de “viadão”. Fez isso na presença do ex-presidente Lula,  que foi a lá ajudar na sua campanha, e de tantos outros ditos esquerdistas brasileiros, os mesmos que levam a vida a pagar p.. a ele e outros ditadores. 

Outro por quem os esquerdistas brasileiros parecem ter fetiche é pelo regime autoritário e repressor da Rússia. Tão repressor que não permite, sequer, a realização paradas gays ou de outros movimentos ligados à diversidade sexual. 

E agem pior, as autoridades fazem vistas grossas e/ou aquiescem com os criminosos que torturam e até matam gays naquele país. Alguém ignora o tratamento dispensado aos homossexuais na Rússia? 

Nem se fale no alinhamento que os esquerdistas comunistas fazem ao regime norte-coreano onde o ditador de plantão manda matar e expurgar qualquer adversário a troco de nada, até pelo fato de cochilar durante um evento.

O governo brasileiro e os cidadãos que se dizem de esquerda defendem dialogo até com o Estado Islâmico, aquele grupo que mata e estupra cristãos e quaisquer outros que não professam sua fé e dispensa um tratamento todo especial aos que suspeitam serem homossexuais, dentre os quais, atirá-los do alto de edifícios. 

Não faz um ano, em plena a Assembléia Geral da ONU, a própria presidente da República defendeu que se dialogasse com eles. Talvez repita a façanha nos próximos dias.

As palavras do deputado maranhense, indefensáveis sob qualquer aspecto, não soam mais grave que o silêncio dispensado por seus colegas de partido e aliados preferenciais dispensa aos homossexuais e outras minorias ao redor do mundo. 

O silêncio da vergonha.

A indignação em relação os termos do deputado, por parte de muitos esquerdistas, soam mais como uma despropositada hipocrisia.

 

Abdon Marinho é advogado.