AbdonMarinho - ROSEANA QUER MESMO LOBÃO FILHO?
Bem Vindo a Pagina de Abdon Marinho, Ideias e Opiniões, Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017



A palavra é o instrumento irresistível da conquista da liberdade.

Rui Barbosa

Escrito por Abdon Marinho

ROSEANA QUER MESMO LOBÃO FILHO?

Os veículos de comunicação que fazem a cobertura política são, na sua maioria, mais difusoras de boatos, que propriamente, a verdade dos fatos ou  das fatos que ocorrem nos bastidores do poder. E, conforme a conveniência da ala política que defende, as informação difundidas passam é longe do que poderíamos chamar de verdade. Como ocorre em toda eleição, criou-se a verdade de cada um. Assim, embora insistentes os boatos sobre os desentendimentos entre a atual inquilina do Palácio dos Leões e o seu candidato oficial ao governo do Maranhão. 

A última aparição da governadora com o candidato, até onde sei, foi dia 22 de julho. Neste dia parece que que o clima era de confraternização, tanto que a governadora posou com o candidato ao governo, ao senador e mais algumas dezenas de prefeitos fazendo a saudação nazista. Se em política um dia é uma eternidade o que dizer de quase uma semana? 

O que se noticia é que após o mise-en-scène o clima voltou a arder entre os aliados. Será verdade? 

Não conheço ou tenho relação com quaisquer dos personagens e tampouco tenho informações sobre o que se passa nos intramuros palacianos, entretanto, os fatos me sugerem indagar a pergunta do título: \"Roseana quer mesmo Lobão Filho?\" 

Podemos ir além e indagar até onde iria seu interesse em batalhar a árdua guerra eleitoral para fazê-lo governador e o que ganharia com isso?

Vamos aos fatos.

O subgrupo da governadora, como é sabido de todos, possuía um candidato, o ex-prefeito de São José de Ribamar, Luís Fernando Silva. O projeto de renovar o grupo através de alguém de fora do conglomerado familiar já vinha desde a primeira eleição dele no município balneário. À frente do município, por méritos próprios, mas também com grande ajuda do staff  sarneysista em Brasilia, possibilitando que o prefeito de um município castigado por administrações desastrosas e de poucas realizações viesse a tornar-se um modelo de gestor público. 

Alçada ao governo por conta da cassação do governador Jackson Lago, Roseana, logo que pode, fê-lo renunciar ao mandato de prefeito, para o qual fora reeleito, trazendo-o para o governo na condição de escolhido para a sucessão. Aumentando-lhe o poder à medida que a eleição se aproximava. 

Até renunciar à indicação da candidatura e ao cargo secretário, exceto por alguns nichos, Luís Fernando era o governador de fato do Maranhão. E seria de direito, pela vontade da governadora, não fosse a guerra pelo poder dentro do grupo que sepultou o sonho de disputar o mandato de governador no cargo, como candidato a reeleição. Para isso a governadora moveu as pedras certas, fez o vice-governador renunciar e assumir o cago de conselheiro do TCE e negociou até o limite do aceitável sua própria renúncia. O projeto ficou na intenção e na frustração de alguns, pois, como sabemos, não deu certo.

O jogo bruto de intrigas e traições visando a desconstrução da candidatura de Luís Fernando, começara bem antes, acho que desde que os diversos subgrupos começaram a perceber que em um governo dele não teriam a mesma desenvoltura para os \"negócios\" que tem na atual formatação e que poderiam ter se fosse o outro o candidato do grupo.

Já em julho/agosto começaram a “puxar o tapete” do candidato previamente escolhido pela governadora, atingindo seu ápice em março/abri de 2014, quando o candidato viu que não reuniria as condições para ser candidato ainda que contasse com a governadora como madrinha no cargo. 

Ora, como visto, o candidato do subgrupo da governadora dentro grupo Sarney era outro. Roseana  e mais a “torcida do Flamengo, Vasco, Corinthians e do Sampaio”, jamais cogitaram a candidatura do senador Lobão Filho. Aliás, ninguém com experiência política ou que acompanha a história do estado ousara imaginar a candidatura. Quando ele se ensaiou para candidatar-se ao senado já se achou que era brincadeira, ao governo, nem se fale. Uma grande parcela da sociedade, da oposição, da situação e os cidadãos comuns, ainda não acreditam piamente que a candidatura dele seja para valer, acham que renunciará e será substituído. Há até quem acredite que o próprio Luís Fernando possa ainda vir a ser candidato. 

Logo que a candidatura do senador foi lançada – principalmente por este lançamento ter sido articulado pelas raposas mais felpudas da política maranhense e nacional, Sarney, Lula, Lobão Dilma e outras estrelas –, imaginei que a candidatura fosse uma escolha técnica, escudada em pesquisas qualitativas, em uma articulação planejada passo a passo, voto a voto, com todas as minúcias que um empreendimento de alto risco requer. A partir de uma declaração do senador Lobão, uma das figuras mais argutas da política nacional, passei a questionar se essa escolha fora mesmo técnica. A declaração de amor extremo que para muitos pareceu um fato a agregar mais qualidade. A mim, ao menos, pareceu que a candidatura fora mais uma escolha emocional que técnica. Como uma espécie de presente de um pai extremoso a um filho querido. Um ato de amor devotado a ignorar defeitos. A beleza vista pelos olhos de quem ama.

Os vários desencontros entre a governo e  a candidatura, as críticas ácidas do candidato ao governo, inclusive com dando informações capazes de constranger a governadora parece comprovar isso. O candidato, até aqui não tem conseguido se ajudar ou a ajudar a campanha, os auxiliares menos ainda, basta ver as peças publicitárias com o candidato com a “mão grande” sobre o Maranhão culminado com o mau gosto da saudação nazista por onde passa.  

Se por um lado o candidato mais se atrapalha que ajuda, por outro, o governo não tem cumprido com suas “obrigações\" com a candidatura oficial ou seja o governo apesar dos recursos em caixa não tem corrido com as obras que poderiam motivar a \'trupe\' do candidato oficial na defesa do governo. O que se vemos, em quase todo o Maranhão, são as obras públicas, dezenas delas com ordens de serviços assinadas desde o começo do ano, paralisadas ou sendo feitas a passo de cágado, sem contar com a qualidade que fica devendo ao sofrível. Apesar disso, justiça seja feita, tanto a paralisação, qualidade ou falta de pagamentos, não se deve tanto por “culpa” de Roseana. Na verdade, faz tanto tempo que ela exerce o mandato apenas no aspecto formal, que com a saída de Luís Fernando que era o governador de fato – com as ressalvas de alguns nichos, como é o caso da saúde, onde o secretário abriu até mão de uma eleição certa para deputado para continuar no comando pelo tempo que ainda durar o governo da cunhada –, que não sabem como “tocar o barco” que fora programado por e para o outro. A chiadeira dos empresários, prefeitos e demais aliados é grande, muitos, como não recebem nada, têm medo de tocar as obras contratadas e não receberem. Como isso, as moedas não tilintam nos caixas das campanhas.

Com a saída da pessoa que mandava e o fato de não terem encontrado alguém para exercer esse papel, o governo tem se ressentido disso, desta falta de comando, de alguém que coloque a máquina para funcionar no ritmo que vinha funcionando ou algo bem aproximado. 

O que resta saber – e acho que é isso que o candidato pensa –, se ao insistirem na paralisia do governo, isso é feito para prejudicá-lo, com  deliberada intenção, pois  apesar do jogo de cena, da governadora até haver se comprometido com a saudação nazista, as coisas continuam sem acontecer. Leia-se: repasse das obras conveniadas aos municípios, pagamentos aos empreiteiros, pressão do governo sobre os aliados, e outras coisas mais. 

Quando a governadora, não tendo conseguido conduzir a eleição indireta para o seu projeto, decidiu ficar no governo, disse que ela não penduraria seus sapatinhos, de grife, claro, que ninguém é de ferro, nesta eleição. Ia além, dizia que ela pretende voltar a se candidatar aos governo em 2018, desta vez numa arrumação com a outra ala da família, a Murad. 

Dentro desta perspectiva faz sentido a insatisfação e as críticas que faz o candidato a inércia do governo em relação a sua campanha.

Numa eventual vitória de Lobão Filho ficaria impossível para ela em consórcio com os Murad retornarem ao governo. O que não acontecerá caso a vitória de Flávio Dino. Dependo do seu governo as chances dela se ampliam, principalmente, se a mudança propalada, até aqui o principal eleitor da oposição, não ocorrer ou ficar muito aquém do esperado.  Talvez Roseana esteja apostando no fracasso da oposição no governo. Estará certa?

Abdon Marinho é advogado.